? ºC Tangará da Serra - MT

Curiosidades

05/12/2017 16:31 Gazeta Digital

Cooperativa de crédito lança máquina para recolher moedas

Durante as férias escolares, as moedas habitualmente em circulação no mercado escasseiam. Para os comerciantes, a falta delas dificulta o troco aos clientes. Crianças e idosos são os principais poupadores de moedas e público-alvo de uma nova ferramenta de coleta lançada em Cuiabá.

O equipamento Catamoedas está instalado nos bairros CPA 2 e Tijucal, por iniciativa da cooperativa de crédito Sicredi. Associados e poupadores na instituição financeira podem efetuar os depósitos de suas moedas. Outros 10 municípios mato-grossenses dispõem do equipamento, sendo Campo Verde, Tangará da Serra, Rondonópolis, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Sorriso, Sinop, Colíder, Alta Floresta e Juína. Ao todo, foram instalados 16 equipamentos coletadores em Mato Grosso e 86 no país.

No Catamoedas podem ser depositadas moedas de 5, 10, 25 e 50 centavos e de 1 real. Os valores depositados são computados automaticamente e podem ser conferidos na tela da máquina. “O uso é simples. É só digitar na máquina o número da agência e da conta para o depósito e colocar as moedas no local indicado”, explica a assessora de Negócios Pessoa Física da Central Sicredi Centro Norte, Juliana Rodriques.

“Nossa intenção é estimular a educação financeira e o retorno de moedas em circulação, já que o Banco Central restringiu a comercialização delas”, acrescenta a gerente da agência Sicredi no Tijucal, Patrícia Capitanio. Ela comenta que o bairro foi escolhido para receber o equipamento, juntamente com o CPA 2, pelo elevado contingente de crianças e idosos.

“Eles são mais propícios a guardar dinheiro em moedas”. A gerente da agência Sicredi no bairro CPA 2, Larissa Crispim, destaca a importância de poupar e fazer o dinheiro circular por meio de investimentos. “Se guardar o dinheiro em casa, o poupador não tem rendimento”.

Com pré-projetos de investimento traçados aos 8 anos de idade, a estudante Mariane Ramos Batista admite a prática de guardar moedas em pequenos cofres. “Guardo para construir uma casa e entrar numa escola (particular)”. Já Nicole Maidana, 7, anseia comprar um smartphone com as moedas que tem guardado. “Tenho muitas”.

A gerente de uma loja de doces e embalagens, Ludmila dos Santos, afirma que no entorno do estabelecimento há escolas e cantinas. Durante as férias, as moedas desaparecem. “Sem aulas, as moedas somem. Acho que as pessoas estão guardando mais”.  


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo