? ºC Tangará da Serra - MT

Educação

11/06/2018 14:38 Gazeta Digital

MT tem quase 20% de analfabetos funcionais

Quase 20% da população de 15 anos ou mais em Mato Grosso é analfabeta funcional. O Estado tem o pior índice do Centro-Oeste, seguido por Mato Grosso do Sul (17,7%), Goiás (16,6%) e Distrito Federal (9,3%) e supera a taxa nacional que é de 16,6%. Os dados constam no Relatório do 2° Ciclo de Monitoramento das Metas do Plano Nacional de Educação (PNE), divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Especialista e Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) expõem diversos fatores que colaboram com o crescimento do analfabetismo funcional, dentre eles está a falta de estrutura nas escolas, profissionais qualificados, motivação a busca de conhecimento e até mesmo a reforma do ensino médio.

A meta 9 do PNE busca elevar a taxa de alfabetização da população com 15 anos ou mais para 93,5% até o final da vigência do plano (2024), erradicar o analfabetismo absoluto e reduzir em 50% a taxa de analfabetismo funcional. Em se tratando deste último, o levantamento aponta para ascensão entre 2012 e 2016. Entre 2012 e 2015 a porcentagem variou entre 18,5% e 17,5%, tendo um salto significativo em 2016, passando para 19,2%, o maior do Centro-Oeste.

Apesar de Mato Grosso ter 80,8% de sua população considerada não analfabeta funcional, os números ainda são preocupantes. É como avalia a consultora pedagógica e especialista em Direito Educacional, Maria Eliana Moraes, que explica que uma pessoa considerada analfabeta funcional sabe escrever seu próprio nome, assim como lê e escreve frases simples, efetua cálculos básicos, porém é incapaz de interpretar o que lê e de usar a leitura e a escrita em atividades cotidianas. Isso impossibilita seu desenvolvimento pessoal e profissional. “É um problema grave e cada vez mais recorrente no país e, em Mato Grosso, não é diferente”.

Segundo a especialista, quando se fala de analfabetismo funcional muito há o que se discutir. Ela explica que este pode estar ligado a inúmeros fatores físicos, mentais e comportamentais. Todos estes juntos se resumem na falta de motivação. Inexistência de laboratórios de ciências e informática, uma biblioteca atualizada, quadras esportivas, refeitório, disciplinas extracurriculares como dança e teatro.

Moraes enfatiza que a “Declaração Mundial sobre Educação para Todos” aponta que no mundo mais de 960 milhões de adultos são analfabetos funcionais. Em sua maioria, estas pessoas não tem acesso ao conhecimento impresso e as novas tecnologias que poderiam melhorar a qualidade de vida e ajudá-las a se adaptar as mudanças sociais e culturais. Realidade que pode ser observada em muitas escolas do Estado. “Apenas 1 entre 4 brasileiros consegue ler, escrever e utilizar essas habilidades para continuar aprendendo”.

Vice-presidente do Sintep-MT, Jocilene Barboza dos Santos diz que os dados do relatório com relação ao analfabetismo funcional mostra o quanto ainda falta para o aluno encontrar a plenitude do conhecimento ao longo de sua vida escolar. Segundo ela, a situação vem de encontro com o que o sindicato cobra há muito tempo do governo, que é a descentralização de investimentos em apenas algumas áreas, como o ensino a distância, por exemplo.

A situação pode ficar ainda mais crítica no próximo relatório, já que nele será possível ver o reflexo da reforma do ensino médio, pontua a sindicalista. Currículo mínimo, com inserção de cursos técnicos, isenção de várias disciplinas, são fatores que podem tornar o aluno mais desinteressado na busca por conhecimento e, consequentemente, favorecer o analfabetismo funcional, enfatiza Santos.

Mesmo tendo a maior porcentagem de pessoas analfabetas funcionais da região Centro-Oeste (19,2%), a Secretaria de Estado de Educaçao (Seduc) comemora avanços que devem colaborar com a mudança desse cenário. De acordo com a pasta, em 2017 foram investidos R$ 180 milhões em orçamentos e convênios voltados para a infraestrutura e a mesma quantidade será investida na área no decorrer deste ano. Além disso, foram implantadas 39 escolas plenas e salários de professores foram reajustados, o que significa a valorização dos educadores do Estado, de acordo com a pasta.

Atualmente, estão em andamento cerca de 100 obras de escolas entre construção e reformas, a construção de um Centro Integrado Escola Comunidade (Ciec) e quadras poliesportivas.

Assessor técnico pedagógico da Secretaria Adjunta de Política Educacional da Seduc, Daltron Maurício Ricaldes ainda destaca a implantação do projeto Muxirum, que pretende tirar 11 mil pessoas da situação de analfabetismo. Segundo ele, até o momento mais de 4,6 mil mato-grossenses já foram alfabetizados no Estado. “Também temos o programa Professor Articulador, um Centro de Formaçao que capacita professores e um projeto estadual em que o governo paga para que cada professor estude 4 horas por semana”.

Ricaldes lembra ainda que na linha de tentar aproximar o aluno da escola, o governo criou programas que relacionam o esporte e estudo, como a Arena da Educação e o Esporte na Escola, criados para promover a prática esportiva em diversas modalidades para todos os alunos da rede pública. “Acreditamos que estes investimentos ajudarão a reduzir o número de analfabetos funcionais em Mato Grosso, pois são meios de estimular tanto professores, quanto alunos, na busca por conhecimento”, finaliza.


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo