26 de Junho de 2019

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO
logo

Terça-feira, 11 de Junho de 2019, 13h:48 - A | A

OPORTUNIDADE

UFMT e sindicato dos professores alfabetizam servidores terceirizados

A ideia é que os trabalhadores aprendam o conteúdo do ensino fundamental e – se for possível dar continuidade ao projeto – do ensino médio

O Livre

Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre

image

“A universidade não pode ser um lugar que forma doutores com pessoas analfabetas trabalhando. Isso é uma situação que precisa de enfrentamento”. Com esse mote, o professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Audi Nestor de Souza, coordena o projeto de alfabetização e iniciação à matemática de servidores terceirizados da instituição.

Ancorado pelos pilares de ensino, pesquisa e extensão, o curso do departamento de matemática da UFMT tem parceria com a Associação de Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (Adufmat). Conforme Audi, a ideia é permitir que os trabalhadores concluam o ensino fundamental e, se for possível dar continuidade ao projeto, o ensino médio.

O curso é semestral e acontece em três dias da semana. Por enquanto, são 18 trabalhadores inscritos, a maioria deles mulheres. Alice Gomes participa das aulas e afirmou que o curso da UFMT é sua primeira oportunidade de estudar. “Eu estou muito feliz. Quero estudar, algo que eu não tive chance, pois morava na roça. Espero que a gente não pare e estude por mais tempo”, concluiu.

A reitora e o vice-reitor da UFMT visitaram o curso. À ocasião, a professora Myrian Serra, destacou que a iniciativa demonstra a valorização da Educação no ambiente universitário. “Acolhemos a demanda do curso, pois entendemos que precisamos contribuir com todos, principalmente os terceirizados, que são uma força de trabalho precarizada”.

A reitora reconheceu ainda o esforço dos terceirizados em buscar esse conhecimento. O vice-reitor, professor Evandro Soares, também destacou o papel social da Universidade. “É muito bom que a UFMT possa cooperar nessa alfabetização para que esses trabalhadores possam ter outras oportunidades no futuro”, disse.

 

 

Imprimir





ENQUETE

VEJA MAIS

Você é contra ou a favor ao novo decreto do porte de armas?

PARCIAL

(65) 3052-6030

redacaocopopular1@gmail.com admcopopular1@gmail.com financeiro@copopular.com.br

image